Potencial de aquecimento sobe 6,8% em 2015

O potencial de aquecimento global aumentou 6,8%, em Portugal, em 2015, cinco vezes mais que o crescimento da atividade económica que foi 1,2%, revelou o Instituto Nacional de Estatística.

 

O potencial de aquecimento global aumentou 6,8%, em Portugal, em 2015, cinco vezes mais que o crescimento da atividade económica que foi 1,2%, revelou o Instituto Nacional de Estatística.

Os Indicadores Económico-ambientais - Contas das Emissões Atmosféricas, divulgados pelo INE, revelam que, além da subida do potencial de aquecimento global, também o potencial de acidificação e o de formação de ozono (que se forma mais perto da superfície terrestre) aumentaram devido ao crescimento das emissões da maior parte dos gases.

A avaliação da eficiência ambiental da economia no que respeita as emissões atmosféricas é efetuada comparando dados físicos ambientais com dados económicos, e o INE explica que "os três indicadores ambientais apresentaram crescimentos superiores ao que se observou no VAB [Valor Acrescentado Bruto] (1,2%), interrompendo a tendência decrescente" da última década.

Em 2015, o potencial de acidificação aumentou 3% e o de formação de ozono troposférico 3,1%, enquanto o Valor Acrescentado Bruto (VAB), a preços base, avançou 1,2%.

Em termos acumulados, "todos os indicadores ambientais registaram decréscimos significativos entre 1995 e 2015", contrariamente ao VAB, que aumentou 25,9%, refere o INE.

O potencial de aquecimento global apresentou uma tendência ascendente até 2005, acompanhando a evolução do VAB e, entre 2006 e 2014, apresentou um comportamento contrário àquele do indicador económico.

O acréscimo das emissões resulta da necessidade de enfrentar a redução registada na produção de energia renovável através da produção de eletricidade a partir de combustíveis fósseis, nomeadamente carvão, que têm um preço mais baixo que o gás natural, mas são mais poluentes.

As emissões de dióxido de carbono, um dos principais responsáveis pelas alterações climáticas, aumentaram 8,5%, acentuando o movimento ascendente iniciado em 2014, enquanto o metano subiu 1,1% e o óxido nitroso 0,2%.

O potencial de acidificação a tendência decrescente iniciada em 2006, o que está associado ao crescimento da atividade económica e ao aumento da produção de energia elétrica através da queima de combustíveis fósseis.

A redução de energia renovável é explicada pela falta de chuva, tendo sido 2015 um ano "extremamente seco - o sexto mais seco desde 1931 - com consequências na produção de energia hídrica, ao contrário de 2014 que tinha sido "um ano particularmente chuvoso".

Em 2015, os maiores contributos para o potencial de aquecimento global vieram da energia, água e saneamento (31,1%), indústria (26,6%) e agricultura, silvicultura e pesca (13,5%) e famílias (12,4%).

Por cada euro de VAB gerado, foram emitidos 0,455 quilogramas de dióxido de carbono, um ligeiro aumento na comparação com o valor o ano anterior (0,431 quilogramas), com a área energia, água e saneamento a continuar a emitir mais por unidade de VAB, com 4,707 quilogramas, seguindo-se a agricultura, silvicultura e pesca, com 2,677 quilogramas.

Em 2014, Portugal apresentou o quarto mais baixo potencial de aquecimento global 'per capita' da União Europeia a 28.

 

Ademar Dias

ÚLTIMAS

Há: 9 horas

Há: 11 horas

 

Localização

Rua dos Pelames - Terminal Rodoviário, 1º Andar 8800 Tavira, Portugal

 

 

 

 

 

Contactos

Telefone: +351 281 380 240

Emails:

Geral: horizontealgarve@gmail.com

Secretaria: horizontesecretaria@gmail.com

Redação: horizontenoticias@gmail.com

 
Zircon - This is a contributing Drupal Theme
Design by WeebPal.